Tirando o FERMENTO de dentro de nós a fim de Encontrar o ETERNO no Sinai!



A benevolência do ETERNO não visava trazer de novo uma espiritualidade que gerou a "quebra dos recipientes". Agora, mesmo a benevolência precisaria estar ligada às Mitzvot (preceitos), pois não recebemos Luz destituídos de qualquer mérito, mas através dos portais das Mitzvot. A circuncisão, o sacrifício, o Sêder, a retirada do fermento em Matzot, o sangue nos umbrais e nas vergas das portas, em fim - Mitzvot (mandamentos, preceitos) que foram ordenadas para que a benevolência do Eterno estivesse ligada diretamente a atos de obediência que fornecessem algum mérito aos necessitados dela. A benevolência surge atrelada às Mitzvot, mostrando que o ETERNO está estabelecendo um outro tipo de espiritualidade, onde os recipientes desta vez irão se preparar para receber a Luz Divina, a fim de que possam contê-la sem serem quebrados.

Porém, tudo isto indica que a grande libertação não foi o livramento da morte dos primogênitos do povo judeu que obedeceram a ordem do Eterno, mas que isto era apenas o começo para uma jornada que levaria a verdadeira libertação. Entendemos isto ao constatar que após o primeiro dia festivo (Pêssach) começou uma contagem regressiva para a festa de Shavuot, que foi marcada pela outorga da Torah.

A carta de libertação, o mapa para encontrar o Eterno, o manual da vontade do ETERNO, e como alguém disse, o próprio manual do Fabricante do ser humano, A TORAH foi outorgada para o povo judeu, e neste momento ocorreu a GRANDE LIBERTAÇÃO, pois através da prática das Mitsvot e do estudo da Torah, a capacidade de conhecer o Eterno, que potencialmente todos temos, de mudar nosso nível de consciência, poderia então ser alcançado, livrando a alma da escravidão do yetser hará, e das limitações impostas pelo corpo que a abriga.

!שבת שלום ופסח כשר ושמח

Marcos Andrade Abrão


Continue Lendo

What thought should we have on Pesach?

We thought should we have on Pesach and MATZOT, and what is the BIG DELIVERANCE that awaits us?

THE GREAT DELIVERANCE is not just being freed from slavery in Egypt, but BE FREE to do THE WILL OF THE ETERNAL.

THE TORAH is the DIVINE INSTRUCTION that protects us, so we never return to slavery.

On Pesach we remember slavery and we rejoice in for the freedom. Gratitude is the key point and the commitment to a deep change, is the best way to thank. As the angel jumped our "home" and the curse did not come to us, we should jump to a higher spiritual state through a renovated disposition to fulfill the Mitzvot.

In Matzot we must look inside our soul (not on the other) to find yeast. Faults, sins, bad habits, problems in our temperament or our personality, in short, everything that we can find in order to fight to get rid of the chametz. Every time we eat the Matza (unleavened bread, unfermented) we need to have this in mind.

The goal is to prepare for the BIG RELEASE, which occurs in SHAVUOT. As soon as the festival of Matzot begins, begins a countdown to reach a greater release than simply getting rid of slavery in Egypt. In SINAI we are freed from the slavery of Yetzer Hara, the dictatorship of forbidden desires that lead us astray and causes all kinds of trouble and suffering.

We are free when we choose to do the WILL OF THE ETERNAL and we are no longer slaves of our desires. We study and practice the Torah and get closer to the ETERNAL, expanding our level of consciousness in order to see life and the world with new eyes. We are free from a mediocre view of life and filled by the Divine Light, gradually developed the desire to give and not just receive. Life takes on a new meaning and we begin to understand who we are and what we are doing in this world.

Marcos Andrade Abrão


Chag Pêssach Kasher Vesameach!

Continue Lendo

Que pensamento devemos ter em Pessach?

Que PENSAMENTO devemos ter em PÊSSACH e em MATZOT, e qual é a GRANDE LIBERTAÇÃO que nos espera?

A GRANDE LIBERTAÇÃO não é apenas ser liberto da escravidão do Egito, mas SER LIVRE para fazer A VONTADE DO ETERNO.

A TORAH é a INSTRUÇÃO DIVINA que nos protege, para jamais voltarmos à escravidão.

Em Pêssach lembramos da escravidão e nos alegramos pela libertação. Agradecimento é o ponto fundamental e o compromisso com uma mudança profunda, é a melhor maneira de agradecer. Assim como o anjo pulou a nossa "casa" e a maldição não chegou até nós, devemos pular para um estado espiritual mais elevado através de uma disposição renovada em cumprir as Mitzvot.

Em Matzot devemos vasculhar nossa alma (não a dos outros) para encontrar fermento. Defeitos, pecados, maus hábitos, problemas no nosso temperamento ou na nossa personalidade, enfim, tudo o que podemos encontrar a fim de lutar para nos livrar deste Chametz. Cada vez que comemos a Matza (pão ázimo, não fermentado) precisamos ter isto em mente.

A meta é nos prepararmos para a GRANDE LIBERTAÇÃO, que ocorre em SHAVUOT. Logo que começa a festa de Matzot, começa uma contagem regressiva para alcançarmos uma libertação maior do que simplesmente nos livrarmos da escravidão do Egito. No SINAI somos libertos da escravidão do YETSER HARÁ, da ditadura dos desejos proibidos que nos induzem ao erro e nos causa todo o tipo de aflição e sofrimento.

Somos livres quando optamos por fazer a VONTADE DO ETERNO e não somos mais cativos dos nossos desejos. Estudamos e praticamos a Torah e nos aproximamos do ETERNO, expandindo o nosso nível de consciência, a fim de enxergar a vida e o mundo com novos olhos. Somos livres de uma visão medíocre da vida e preenchidos pela Luz Divina, gradativamente desenvolvemos o desejo de doar e não só de receber. A vida passa a ter um sentido novo e começamos a entender quem somos e o que estamos fazendo neste mundo.

Marcos Andrade Abrão


Chag Pêssach Kasher Vesameach!

Continue Lendo

O Grande Shabat

Shabat Shalom para TODOS!

Shabat Gadol que antecede pêssach, lembra o livramento do povo judeu das mãos dos Egípcios, pois queriam matá-los porque iriam sacrificar os seus deuses. Eles consideravam os cordeiros como deuses. No final das contas, os primogênitos pediram para que o Faraó libertasse os judeus, pois souberam da praga que os atingiria, e isto resultou em uma pequena guerra civil onde muitos egípcios morreram. Mas, sem dúvida o cumprimento da Mitzvá, ao separar um cordeiro para oferecer como o corban Pêssach, começou a elevar o povo judeu que estava vivendo literalmente dentro de uma Kelipá.

O mais interessante, é que ao se aproximar a hora do sacrifício, alguns judeus não tinham feito a circuncisão, mas atraídos pelo sacrifício que Moshe estava fazendo, que emanava o cheiro do Gan Eden, eles circuncidaram as pressas e o sangue que foi colocado nas vergas e nas ombreiras das portas destas pessoas, era o sangue do sacrifício e da circuncisão.

Fonte: Escritos dos sábios do povo judeu e Chumash em português.

Uma reflexão importante de Pêssach é entender que a benevolência do Eterno nunca está separada da Sua Torah, na verdade, é parte integrante da Torah.

A história do Mashiach ben Yossef também foi colocada dentro de uma Kelipá, mas nestes últimos dias será tirada de lá e a Casa de Israel e uma porção das nações sairão de Edom e retornaram a fé que foi dada ao povo judeu no Sinai.


Continue Lendo

Os Dias de Mashiach

A quedas dos deuses de ROMA abrirá a porta para a revelação do TSADIK MASHIACH e a ascensão de MASHIACH BEN DAVID.

Na profecia de Daniel Hanavi (7), consta o julgamento e a queda do império e dos deuses romanos e a ascensão do verdadeiro Mashiach. Por um tempo Roma prevaleceu sobre o povo judeu, resultando no exílio que ocorreu em 135, quando o povo judeu foi expulso das terras de Israel. Tempos se passaram até que em 1948 Israel voltou a ser uma nação, em um dia, como havia sido profetizado. Após isto se cumpre apenas metade de um tempo a fim de que o Mashiach ressuscite e receba a alma da alma de Mashiach, a fim de cumprir sua grande missão: tirar a impureza da Terra, reconstruir o Templo, lutar as guerras de Israel, trazer todos os judeus de volta as terras de Israel e estabelecer a Era Messiânica. Nesta época todas as promessas que o Eterno fez ao povo judeu se cumprirão e a nação de Israel cumprirá a sua missão de ser uma nação sacerdotal, ensinando as nações a buscarem o ETERNO da forma correta.

Em Isaías 11, relata o momento em que o Mashiach recebe a alma da alma de Mashiach (a unção reservada para o Mashiach) que ocorrerá nos últimos dias após a ressurreição de Mashiach ben Yossef e a revelação de Mashiach ben David. Observem que o texto é seguido pela descrição sobre a ERA MESSIANICA, indicando o tempo em que isto acontecerá.

Assistam o VÍDEO: A queda dos deuses de ROMA, a revelação do TSADIK MASHIACH e a ascensão de MASHIACH BEN DAVID.

Marcos Andrade Abrão



Continue Lendo

Shalom! Shalom!

Qual a ORIGEM da expressão: "SHALOM, SHALOM"?

Que haja PAZ para o TSADIK, que vive a Torah de todo o coração, e PAZ para quem estava afastado, mas se arrependeu, fez teshuvá e retornou ao ETERNO.

Muito usado por judeus de todo mundo esta expressão tem uma origem muito especial. Ele foi tirada de um texto do livro de Yeshayahu (Isaías) 57:19. No texto tem a palavra Shalom duas vezes e o significado é muito especial. O texto diz: "Eu crio a FALA que pronunciam os lábios: SHALOM, SHALOM ao que está DISTANTE e para o que está PRÓXIMO. - Diz o ETERNO e curarei". O que está perto é o Tsadik, e o Eterno diz Shalom para que haja paz em sua vida. O que está longe é aquele que se afastou, mas resolveu fazer teshuvá e voltou para perto do Eterno. E o Eterno diz para o que fez Teshuvah, Shalom e trará cura para ele.

Da próxima vez que você falar SHALOM, SHALOM, lembre-se deste texto tão especial. Paz para o Tsadik e Paz para o que se arrependeu e fez Teshuvá.

Shalom, Shalom para TODOS! Muita Paz e muita Luz e que o Eterno seja benevolente com todos nós!

Marcos Andrade Abrão


Continue Lendo

Para Refletir

O Perdão é Divino, o rancor é da alma animal.

O Amor vence o ódio e a Paz é uma dádiva.

Se você odeia seus inimigos, isto é um sinal de que eles roubaram seu coração.

Se você só pensa neles, então eles também roubaram a sua mente.

Se você confia no ETERNO, você tem paz e sabe que tudo tem um propósito.

Através da Fé brota a certeza de que a providência Divina age de uma forma perfeita e que ninguém ficará impune, nem você.

Porém, nesta estado de paz você poderá perdoar aqueles que se arrependerem de coração, pois o seu coração não estará contaminado com o rancor e o ódio.

Mas tudo isto é fruto da nossa Obediência a Instrução Divina.

Quem ama ao ETERNO guarda as suas Mitzvot.

Só através da Torah aprendemos a amar o próximo como a nós mesmos, na medida em que colhemos luz a cada Mitsvá que obedecemos e não bloqueamos a luz ao evitarmos tudo o que o Eterno proibiu na Sua Torah.

A Verdade está na Torah, que nos conduz ao caminho que nos leva à vida.

Marcos Andrade Abrão



Continue Lendo

Imergindo na Luz

UM DIA imergiremos na LUZ DIVINA sem as vestimentas que ocultam a presença divina, e CONHECEREMOS O ETERNO em uma dimensão que nenhum outro mundo (espiritual) jamais experimentou.

O que significa transformar este mundo numa MORADA PARA O ETERNO, como ensinam nossos sábios.

Contam os sábios do povo judeu, que quando Jacob chamou seus filhos para abençoar, estava preocupado se eles manteriam a Fé que lhe foi passada pelo seu pai e avô. Então, os filhos disseram a ele: Ouve Israel (nome de Jacob, dado pelo Eterno), o ETERNO é nosso D'us, o ETERNO é UM. Esta frase mais tarde veio a fazer parte da Mitzvá que praticamos ao acordar e antes de dormir, e definiu de forma clara e inspirada que o Eterno, nosso D'us, é Um, Indivisível e Incorpóreo. Quando finalmente os descendentes dos filhos de Jacob saíram do Egito, o Eterno deu um presente cujo valor é incalculável, a Torah, a instrução Divina. Diante de uma multidão de testemunhas, a Torah foi outorgada ao Povo Judeu, que se tornou o povo depositário destas revelações Divinas que definem de forma absoluta qual é a vontade do ETERNO e como encontrá-Lo.

Alguns dizem que existem muitos caminhos, outros que o caminho está em uma pessoa, mas, na verdade, o caminho para encontrarmos o Eterno está no ESTUDO deste "mapa" (TORAH) e em colocar em prática suas instruções, através das Mitzvot (preceitos) a fim de alcançarmos o maior de todos os objetivos, conhecer o ETERNO e cooperar com o Seu grande propósito, revelar-se a este mundo de uma forma que Ele jamais se revelou aos outros mundos (Atsilut, Bria, Yetsirá).

Quando entramos em um Mikvê, tiramos todas as vestes (por isto o Mikvê está dentro de um ambiente fechado) e isto tem um poder eficaz para transformar o estado de uma pessoa impura para o estado de pureza, mas também é um prenúncio de algo maravilhoso que irá acontecer neste mundo. Um dia vamos imergir na luz, como hoje imergimos em um Mikvê, mas sem as "vestimentas" que ocultam a presença Divina, e então teremos uma experiência com o Eterno, que nenhum mundo, mesmo Atsilut, jamais experimentou.

Cada Mitzvá que praticamos colabora com este processo, e a transformação do mal em bem através da Teshuvá abre a porta para uma manifestação de Luz, com uma qualidade superior à luz que flui somente através do bem.

Nossos sábios explicam que o Eterno, bendito seja Ele, deseja que Sua Luz preencha este mundo (recipiente) de uma forma que nenhum outro mundo (espiritual) jamais experimentou. E nosso trabalho, através das Mitzvot, é transformar este mundo em uma "morada" para o ETERNO.

O Mashiach ben Yossef, como servo sofredor, abre a porta para muitos fazerem teshuvá, e o Mashiach ben David vem coordenar pessoalmente este processo, até que chegará o dia, com a progressão da Era Messiânica, em que não precisaremos mais do sol nem da luz, pois o resplendor da Luz Divina irá iluminar este mundo.

Marcos Andrade Abrão

Continue Lendo

Purim

Hoje à noite começa a Festa de Purim!

Festejamos a alegria que derivou de uma das mais temidas e graves situações já ocorridas na história de Am Israel.

Comemoramos a vitória sobre o antissemita mais perverso da época. O dia em que Haman Harashá (que seu nome seja apagado) escolheu para tentar eliminar Am Israel, acabou se tornando o dia de sua própria destruição. No dia 14 de Adar comemoramos um livramento. Com o apoio de Mordechai, a Rainha Ester e todos os judeus jejuaram e rezaram pelo sucesso do contra-ataque dos judeus, e desta forma o mau decreto foi evitado. O Rei Achashverosh concedeu seu anel real a Mordechai Hayehudi que escreveu para todos os judeus, conforme está escrito no livro de Ester:

"E Mordechai escreveu estas coisas e enviou cartas a todos os judeus que se encontravam em todas as províncias do rei Achashvereosh, próximas e distantes, para que celebrassem o dia 14 do mês de Adar e o dia 15 do mesmo, todos os anos, como os dias em que os judeus descansaram dos seus inimigos, e o mês que lhes foi transformado de tristeza em alegria e de pranto em dia de festa - para que os fizessem dias de banquete e de alegria, e de se enviar porções uns aos outros, e presentes aos pobres." Ester 9: 20-22

E então, temos quatro mitzvot importantes em Purim (todas começam o com a letra "Mem"):

1. Megilat Ester: Leitura do Livro/Pergaminho de Ester - hoje a noite e amanhã de manhã. Temos a tradição de que toda vez que Haman é citado durante a leitura, o seu nome seja “apagado”, e então fazemos barulho com batidas de pés, vaias, trombetas, sirenes ou tambores. 

2. Mishloach Manot: Enviar alimentos (kasher) de consumo imediato a pelo menos dois amigos através de um "mensageiro" durante o dia de Purim.

3. Matanot Laevyonim: Doar, fazer tzedaka, a pelo menos dois necessitados, durante o dia de Purim.

4. Mishtê: Seudat Purim - Refeição festiva de Purim, assim como foi comemorado nos dias da Rainha Ester, comemoramos com uma refeição especial, com vinho, carne e pão - celebrando o milagre de Purim.

Purim Sameach!!!


Beit El Shamah



Continue Lendo

Chag Purim Sameach!

Desejo a TODOS uma festa maravilhosa!

Estamos em um momento importante, em PURIM, onde a força de AMALEQUE É DESMASCARADA E CAI. Por mais astuto e perverso que seja a forma de agir de Amaleque, ela sempre sucumbe, pois isto é um princípio que rege este mundo. A Providência Divina sempre se encarrega de fazer o mal perecer, mesmo que isto demore na nossa percepção. Amaleque é a força negativa que sempre afasta as pessoas fragilizadas da prática da Torah. O princípio da atuação de Amaleque é tirar a força interior para destruir as pessoas vulneráveis.

O Eterno nos ordena a lutar contra isto durante toda a vida, e para isto é preciso primeiro vencer a guerra dentro de nós a fim de não estarmos vulneráreis a ação de Amaleque. Mas, a ordem é lutar também contra os seres humanos que estão revestidos por esta força maligna, pois Amaleque também suscita no coração destas pessoas o ódio pelo povo judeu. Amaleque sempre aparece quando Israel está fora das suas terras, seja em um Êxodo como no exílio. Embora sempre seja derrotado, fiquem atentos contra esta força maligna que de maneira direta ou indireta, tira das pessoas a vontade de praticar a Torah.
Estude e pratique a Torah, faça as rezas diárias e as brachot, e faça atos de benevolência e Amaleque nem chegará perto de você.

Não posso também deixar de falar sobre o que tem acontecido na EUROPA. O povo judeu vivia na Europa pacificamente e contribuindo de todas as formas com a sociedade. A paranoia, o anti-semitismo religioso e político e a perversidade de governantes trouxeram o holocausto. O povo judeu hoje é uma nação, mas a Europa após a saída do povo judeu, recebeu uma outra imigração que tem uma postura completamente diferente. É preciso a Europa como um todo refletir nisto, reconhecer os erros cometidos, pedir desculpas ao povo judeu, e lutar e rezar contra o terrorismo, para que agora se liberte de fato de uma ameaça real. Não estou falando de todo um povo, mas de parte dele que usa métodos reprováveis.

Marcos Andrade Abrão


Continue Lendo