O que aconteceu com a Imprensa?

ISRAEL É ATACADO E ISTO PARECE NORMAL PARA TODOS! MAS, QUANDO REAGE ENTÃO TODOS ACORDAM PARA CRITICAR OS ATAQUES (DE ISRAEL).

O mundo é capaz até de adorar um judeu que foi morto, mas porque odeia tanto os vivos?

Israel é a nação sacerdotal, escolhida pelo Eterno para interceder por todas as nações e as nações reagem a isto de forma muito negativa, pois não entendem o propósito Divino. Na era messiânica as pessoas entenderão isto e 10 homens de todas as nações pegarão na orla das vestes de um judeu e dirão que o seguirão pois agora sabem que o Eterno está com eles. Neste tempo, quando as pessoas entenderem a missão do povo judeu, enviarão os judeus de todas as nações de volta para a terra de Israel, pois compreenderão a importância do povo judeu no processo de intercessão e reparação deste mundo.

Na era messiânica, o serviço religioso do povo judeu, liderado pelo Mashiach e com o Beit Hamikdash (Templo) ativo, começará um processo de reparação do mundo que durará 1000 anos, e no final deste período o mundo de Assiá voltará a ser um, e não mais dividido em mundo físico e espiritual.

ENQUANTO O MUNDO AINDA NÃO ENTENDE A MISSÃO DO POVO JUDEU E VÊ TODA SITUAÇÃO QUE ENVOLVE A NAÇÃO DE ISRAEL DE FORMA DISTORCIDA, PRECISAMOS DIVULGAR A VERDADE E FAZER O QUE A IMPRESSA TEM TANTA DIFICULDADE, MOSTRAR O LADO DE ISRAEL NO CONFLITO DO ORIENTE MÉDIO.

O MUNDO É ATÉ CAPAZ DE ADORAR UM JUDEU QUE FOI MORTO, MAS PORQUE ODEIA TANTOS OS VIVOS?

Terroristas bombardeiam o sul de Israel: http://www.jerusalemonline.com/news/politics-and-military/military/terrorists-bombard-southern-israel-14183

Marcos Andrade Abrão

Continue Lendo

O curto-circuito na mente de Corach

Como uma pessoa tão espiritual e com tanto prestígio na comunidade, como Côrach, sofre um curto-circuito na mente, se rebela contra o líder e no final é engolido pela terra com sua família e mais duas famílias? Um homem que deveria ser alguém que aliviasse o trabalho de Moshe e Aharon, torna-se um peso tão grande para eles, e desvia além de duas famílias, 270 homens, líderes e pessoas que também tinham prestígio na comunidade. Côrach, um homem que pecou e fez pecar. Sua rebelião gerou a morte de três famílias, 270 pessoas e as consequências desta rebelião levaram 14700 pessoas a morrerem também.

Com esta situação podemos perguntar quem é forte e quem realmente é espiritual? Conhecimento, Côrach tinha. O respeito da comunidade também. Alguma espiritualidade também, haja vista que seus próprios filhos tiveram a capacidade de fazerem teshuvá à beira do precipício, e foram salvos da morte. O que aconteceu? o que faz uma pessoa aparentemente espiritual cair em um curto-circuito na alma e fracassar no propósito Divino que havia sido programado para sua vida?

A resposta não é tão complicada como o curto-circuito em si. O orgulho gerado pelo conhecimento adquirido, o sentimento de que merece um "cargo" melhor em razão da sua concepção sobre si mesmo, inflamada pelo orgulho, a falta de paciência de esperar, o tempo certo para ser usado pelo Eterno, a ambição por posições exaltadas na comunidade e a dificuldade de ser corrigido. Tudo isto ocorre em razão de uma FAÍSCA que causa o CURTO CIRCUITO. Esta faísca é ativada através de uma desconexão da própria pessoa com a instrução Divina que o Eterno colocou dentro dela. Antes de se rebelar contra as estruturas externas a REBELIÃO COMEÇA DENTRO DA PRÓPRIA PESSOA CONTRA A INSTRUÇÃO DIVINA QUE O ETERNO CODIFICOU DENTRO DELA.

Como identificar uma rebelião e uma mudança de rota? Nem sempre sair de um lugar para outro ou mudar o rumo é uma rebelião. A rebelião se caracteriza pela atitude de rancor e ódio aos líderes estabelecidos com o agravante do lashon hará, de falar mal deles e colocar outras pessoas contra eles. Obviamente a pessoa não está saindo de um lugar porque recebeu uma revelação Divina, mas porque unicamente está se rebelando contra o lugar onde está. O segredo está no motivo da mudança. SE A MUDANÇA É MOTIVADA POR UMA ORIENTAÇÃO DIVINA, ELA É GUIADA PELO ETERNO.

Quem muda por uma orientação Divina faz com paz, sem contendas ou motins, sem tentar influenciar outros de forma forçosa. Quem muda por orientação Divina é bem sucedido e segue a sua jornada para cumprir a sua missão, mas quem muda por um sentimento de rebeldia e desconexão interior, inevitavelmente descerá ao túmulo antes do tempo ou será "queimado" pelos juízos Divinos. O rebelde peca e faz pecar, enquanto o que muda de direção por orientação Divina segue sua jornada rumo a cumprir o propósito Divino que lhe está designado.

Marcos Andrade Abrão

Continue Lendo

O código que revela quem você é.

Toda ação, pensamento e palavras sagradas despertam, ativam e acendem as instruções codificadas na nossa alma e no nosso corpo, que indicam o caminho de uma real aproximação do Eterno. Este caminho interno nos conecta com o Eterno e uns com os outros. Além disto descobrimos o propósito e o sentido da nossa vida e como ele está entrelaçado com as outras pessoas, especialmente as que convivem perto de nós, e indiretamente com todo o Universo criado.

Como o Mashiach ensinou, o Reino dos Céus está dentro de nós e através deste caminho interior conhecemos quem realmente somos e o que estamos fazendo aqui. As orações diárias e as brachot, juntamente com a meditação nos 72 nomes e outras meditações judaicas despertam estas instruções que o Eterno colocou no nosso corpo e na nossa alma, e não só o nosso nível de consciência da realidade muda, como as circunstâncias que nos rodeiam também.

Marcos Andrade Abrão

Continue Lendo

O que é servir ao Eterno?

VOCÊ ESTÁ SERVINDO AO ETERNO? O QUE É SERVIR AO ETERNO?

O equívoco comum sobre o tema.

No ocidente muitas pessoas aprenderam a enxergar as coisas espirituais através do cristianismo. Isto trouxe inúmeros equívocos, pois o cristianismo é por um lado um pseudo judaísmo e por outro lado híbrido, pois também anexou pensamentos e costumes de religiões pagãs. Então, a maneira de o cristianismo enxergar as coisas é fruto de uma mistura de culturas religiosas conflitantes, cujo objetivo não é necessariamente alcançar a verdade, mas simplesmente atrair adeptos em um processo compulsivo de proselitismo. Dentro deste conceito, o serviço a D'us se resume em uma diversidade de ações voltadas aos objetivos das diversas instituições, sem a devida compreensão do que seja o serviço Divino.

A Fonte Confiável.

O serviço Divino foi ensinado e transmitido para o Povo Judeu através da Tradição Oral e Escrita. O que deixaria muitos surpresos é que a Torah Oral veio primeiro do que a Torah Escrita. Tanto que os patriarcas já praticavam a Torah, antes de ela ser escrita em pedras e pergaminhos, como também a maneira como Moshe Rabeinu passava o ensinamento, pois primeiro explicava para o povo as Mitsvot, segundo a orientação do Eterno, e depois escrevia apenas um resumo do que havia dito. Então, se quisermos aprender o que é Serviço Religioso, precisamos ter como referencial a Torah e os ensinamentos dos sábios do povo judeu.

Como fazer o serviço religioso?

O Serviço Religioso precisa ser direcionado ao Eterno. Amar o Eterno de todo coração, alma e recursos disponíveis, é a essência do serviço religioso. As próprias Mitzvot são o manual de como este serviço precisa ser feito. Então, quando fazemos as orações diárias, as bênçãos relacionadas a alimentação, a honestidade nos negócios, a tsedaká, a resistência a tudo que a Torah proíbe e etc., ESTAMOS FAZENDO O VERDADEIRO SERVIÇO RELIGIOSO. Quando temos um hábito diário de fazer as orações e brachot (shacharit, minchá e arvit) e estudamos a Torah, então temos a força para cumprir as outras mitzvot. Alguém diria: e o que envolve o nosso relacionamento com as outras pessoas, as nossas realizações? A resposta é simples, isto acontecerá normalmente na medida em que você estiver servindo ao ETERNO. Uma pessoa por exemplo que antes de sair de casa faz o shacharit e medita nos 72 nomes do Eterno, encontrará no caminho pessoas pedindo oração, pedindo ajuda, abrindo o coração e várias outras situações onde ela poderá compartilhar a luz proveniente da sua conexão com o ETERNO. Mas, tudo isto é uma conseqüência do serviço religioso, que precisa estar focado no seu relacionamento com o Eterno, segundo os princípios estabelecidos na TORAH.

Como ensinou o Mashiach, devemos buscar primeiro as coisas referentes ao Reino dos Céus e a justiça que está inserida nos princípios da Torah, e assim todas as coisas que são da vontade do Eterno serão acrescentadas às nossas vidas.

Marcos Andrade Abrão


Continue Lendo

Os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos?

Em um dos textos que não foram adulterados, Ieshua disse que os primeiros seriam os últimos e últimos seriam os primeiros. O que ele quis dizer? Sabemos que estamos no mundo de Assiá, o mundo onde existe menos luz e é o menos elevado. No nível das sefirot este mundo está conectado a Malchut, a última das sefirot. Se somos os últimos dos últimos, por que é justamente neste mundo que está ocorrendo todo o processo de reparação dos mundos e onde será estabelecido o Reino de D'us? Malchut poderia alcançar Keter, e existe alguma possibilidade de alguém que está no nível de Nefesh alcançar o nível da alma de Iehidá? Bem, Ieshua estava falando de conceitos profundos da Torah, que explicarei em uma parashá futura quando o Eterno permitir. Mas, vamos observar um aspecto mais prático e aplicável deste texto.

Se quisermos alcançar o nível mais profundo da Torah, não podemos perder de vista os aspectos mais simples das mitzvot. Se quisermos cumprir as mitzvot mais importantes, não podemos desprezar o menor de todos os mandamentos. Se quisermos receber grandes revelações, precisamos buscar diligentemente a essência da humildade. Em outras palavras, a elevação espiritual e o que parece ser a coisa mais simples, andam juntas e se apoiam.

Então, antes de estudar os assuntos mais profundos e elevados da Torah, devemos primeiro estudar diligentemente como fazer as orações diárias para estabelecer o serviço religioso em nossas vidas. Antes de tentar entender todos os aspectos das revelações através da guematria, precisamos estudar cada letra hebraica, saber pronunciar os nomes e o valor numérico de cada letra. Antes de tentar fazer a meditações judaicas, precisamos aprender a fazer as brachot antes da alimentação e as posteriores. Assim, os primeiros ensinos encontraram os últimos (mais elevados) e os últimos se apoiarão nos primeiros a fim de proporcionar um canal de recursos espirituais genuínos que levarão a nossa alma a um processo contínuo de transformação.

O segredo sempre é começar de baixo e crescer pouco a pouco a fim de alcançar níveis muito elevados de forma segura e consistente.

Marcos Andrade Abrão

Continue Lendo

Birkat Kohanim


Nas iniciais da bênção sacerdotal (birkat kohanim) observamos que as palavras começam com a letra YUD. Assim, temos Yud, Yud, Yud, que é um dos 72 nomes do Eterno. Os sábios do nosso povo explicam que é em razão disto que após a bênção no texto da Torah, o Eterno diz que o nome Dele estará sobre os filhos de Israel e Ele os abençoará. O nome Yud, Yud, Yud tem a função de tirar as manchas de nossas almas, resultantes dos pecados cometidos no passado. Consequentemente, isto pode levar à cura de doenças físicas resultantes destas manchas na alma e ao mesmo tempo libera força Divina para vivermos e cumprirmos nossa missão. A meditação nos 72 nomes do Eterno é um presente que nos é concedido pela benevolência Divina. Mas, antes de meditar nestes nomes é preciso ter o hábito de fazer as rezas diárias. A vontade do Eterno é que muitas pessoas façam teshuvá e retornem a Ele. Quanto mais as almas buscam aperfeiçoamento através da prática da Torah, mais perto fica a era messiânica. Então, vamos estudar a Torah e cumprir a Torah, e que a meditação na palavra do Eterno seja o nosso maior prazer. MUITA PAZ, MUITA LUZ E MUITA INSPIRAÇÃO PARA TODOS. QUE O ETERNO FAÇA RESPLANDECER A LUZ DA SUA FACE SOBRE TODOS NÓS.



Marcos Andrade Abrão
Continue Lendo

Continuidade, uma qualidade que trará sentido e substância às nossas vidas.

Começar um projeto é sempre inspirado, mas quando surgem as dificuldades e resistências, então a inspiração é substituída por sentimentos não tão agradáveis. Neste estágio muito desistem e não terminam o que começaram. Isto é um grande problema e pode levar uma pessoa a perder o sentido da própria vida. Mas, podemos começar de novo a cada dia, e a lição hoje é esta, vamos começar projetos e terminá-los e vamos nos concentrar nos projetos iniciados para vencermos os obstáculos e concluí-los. Após as dificuldades, quando finalmente um projeto chega ao seu objetivo final, a satisfação é incomparavelmente maior do que a inspiração inicial que foi perdida no meio do projeto. Além disto, completar projetos iniciados traz sobre nossas vidas muita satisfação, sentido e substância, gerando a sensação de que estamos realizando algo de fato. 

Para ajudar nisto, é necessário primeiro buscar a direção Divina para saber quais projetos devemos estar envolvidos e depois meditarmos em um dos 72 Nomes do Eterno que libera os recursos espirituais para completarmos projetos e vencermos as dificuldade que surgem na jornada. O nome é constituído pelas letras Nun, Tav e Hê, e na tabela dos 72 Nomes, é o de número 25. 

Que o ETERNO conceda uma SEMANA MARAVILHOSA para TODOS!


Marcos Andrade Abrão
Continue Lendo

Bamidbar: No deserto / In the desert

Estamos todos em um deserto?

Geralmente o deserto é associado a uma situação difícil e adversa. Mas, se observamos atentamente o mundo no qual vivemos (Assiá - o mundo da ação) veremos que ele está associado a última sefirá (Malchut). A Luz vem do Ein Sof e desce através das sefirot até Malchut, mas sabemos que Malchut não está recebendo luz, e o mundo se encontra em uma seca que se intensificou nos últimos 2000 anos. Encontrar luz neste mundo é como encontrar água no deserto, mas não é impossível, na verdade o que é necessário é ser instruído de como fazer isto.

No deserto têm plantas e lugares onde se encontram fontes de água que podem salvar os viajantes. Mas, para aqueles que não estão preparados, a jornada pode se tornar fatal. A Torah foi dada entre suas inúmeras razões, com o objetivo de indicar onde podemos encontrar água (Luz) neste mundo e não só sobrevivermos, mas também ajudar outras pessoas que estão igualmente "morrendo de sede".

O SIDUR é um livro mais precioso do que você possa imaginar. Extraído da sabedoria da Torah pelos sábios do povo judeu, ele nos leva a uma jornada para encontrarmos a Luz necessária para nossa vida espiritual e para ajudar outras pessoas. O termo vem da palavra SEDER, que significa ordem. Assim, quando recitamos as orações diárias estamos nos conectando com o Eterno e organizando o funcionamento da nossa alma, que alinha nossos desejos com os desejos do Eterno, ou seja, com a vontade Divina. Assim, extraímos forças e inspiração para colocarmos os preceitos da Torah em prática e nos tornamos mensageiros de Luz para outras pessoas. É isto que os sábios do nosso povo ensinam, e sem dúvida é de grande benefício para todos nós.

Comece o dia rezando (sacharit), pare à tarde para rezar (Mincha) e não esqueça de rezar à noite (Arvit) e assim você terá força para transformar o desejo de fazer a vontade do Eterno em ação.
_______________________________

Are we all in a desert?

The desert is usually associated with a difficult and adverse situation. But if we look closely at the world we live in (Asiya - the world of action) we will see that it is associated with the last sefirah (Malchut). The light comes from Ein Sof and goes down through the sefirot until Malchut, but we know that Malchut is not receiving light, and the world is in a drought that has been intensified in the last 2000 years. Finding light in this world is like finding water in the desert, but it is not impossible, in fact what is needed is to be instructed on how to do this.

In the desert, there are plants and places where water sources can save travelers. But for those who are unprepared, the journey can become fatal. The Torah was given, among innumerous reasons, in order to indicate where we can find water (Light) in this world, not only to survive, but also to help others who are also "dying of thirst".

The SIDDUR is a precious book, more than you can imagine. Extracted from the wisdom of the Torah by the Jewish wise people, it takes us to a journey where we find the necessary light for our spiritual life and to help others. The term comes from the word SEDER, which means order. So when we recite the daily prayers we are connecting with the Eternal and organizing the functioning of our soul, which aligns our desires with the desires of the Eternal, i.e. with the Divine will. So, we get strength and inspiration to put the Torah precepts into practice and become messengers of Light to others. This is what the sages of our people teach, and no doubt is of great benefit to all of us.

Start the day praying (Shacharit), stop for afternoon prayer (Mincha) and do not forget to pray at night (Arvit) and you will have power to transform the desire to do the will of the Eternal in action.



Marcos Andrade Abrão
Continue Lendo

Uma mente sábia acalma o coração

O Pedido de Salomão (1 Reis 3:9)

Salomão pediu ao Eterno um Coração que ouvisse a instrução Divina, que fosse guiado pelo bom entendimento. Tudo o que acontece nas nossas vidas causa uma emoção dentro do coração. Podemos ficar aflitos, com medo e até perder toda a paz com uma notícia ameaçadora ou um fato em si. Mas, antes de chegar ao coração tudo passa pela nossa mente, pela nossa cabeça. O que Salomão pediu é que fosse dado a ele um entendimento correto das coisas, ou seja, a maneira correta de ver as coisas. Em outras palavras, a habilidade de definir de forma correta uma situação boa e uma situação ruim, sabendo absorver de forma precisa os acontecimentos da vida.

Ao invés de ficar desesperado por uma situação ameaçadora, ter a Emunah de que o Eterno está no controle de tudo, como também absorver um sofrimento de forma correta, entendendo que acima de tudo é justo, independente da maneira que ele chegou até nós, o que faz com que ele não demore tanto na nossa vida e nos ensine tudo que precisamos aprender. Ficar feliz com uma situação boa e desejar compartilhar o bem com os outros, mas ao mesmo tempo não se exceder na celebração, sabendo manter as emoções equilibradas. Obviamente isto só é possível através da conexão com o Eterno, e em razão disto Salomão pede ao Eterno esta qualificação. Ao mesmo tempo ele pede para que o Eterno lhe dê um coração (LEV) que saiba ouvir (SHOMER), e agir segundo este entendimento dos acontecimentos, a fim de que não esteja agitado como a onda do mar, mas sereno e mesmo sofrendo ou se alegrando, passar por tudo conectado com o ETERNO. O Eterno é justo como nosso libertador, mas também é justo como aquele que nos disciplina, o Eterno é justo para nos alegrar, mas também é justo para levar o nosso coração a um estado de quebrantamento. Entender que o Eterno é JUSTO, só é possível na medida que nos relacionamos com Ele em um nível mais profundo. Salomão pediu um coração não vulnerável aos acontecimentos, nem tolo nem leviano, mas um coração que sabia ouvir o Entendimento que vem da sua mente o qual é iluminada pela Sabedoria Divina.

Além de tudo isto, ele pede sabedoria Divina para discernir os fatos e saber julgar de forma correta, sabendo distinguir o bem do mal. De certa forma, ele pede uma mente que Adam tinha antes da queda, quando o bem e o mal não estavam misturados em sua mente. Salomão pediu isto especificamente para saber julgar as pessoas a fim de não cometer injustiças.

O Eterno atende a oração de Salomão, pois acima de tudo é um reconhecimento de que não se pode governar o povo judeu sem a sabedoria Divina, de que ele se sente inseguro e tem a humildade de reconhecer isto e pedir ajuda ao Eterno, e que os benefícios recebidos não serão só dele, mas serão usados para o bem do povo como um todo.



Marcos Andrade Abrão
Continue Lendo

Quem honra a TORAH honra os sábios do povo JUDEU!

Aquele que diz que honra a Torah e despreza os sábios do povo judeu é um tolo. De Moshe a Torah foi passada para Yehoshua, e depois para os juízes e profetas. Então Knesset Haguedolah (A Grande Assembléia) dos sábios do povo judeu transmitiram para as gerações seguintes até chegar aos nossos dias. Quando o Eterno outorgou a Torah ao povo judeu, na verdade, estabeleceu uma aliança eterna e um casamento, tendo a Torah como a própria Ketubá (contrato de casamento). Com esta aliança, foi dada ao povo judeu a qualificação, os entendimentos e as explicações adicionais que estão na Torah oral, a fim de que ensinassem e colocassem em prática a Torah da forma correta, segundo a vontade Divina. Este relacionamento do Eterno com o povo judeu teve problemas como relata a história, mas jamais foi dissolvido, pois a aliança é irrevogável e eterna. Hoje os escritos e ensinos dos sábios do povo judeu voltam a brilhar sobre todas as nações, como profetizou Yeshaiahu (Isaías) 2:2,3, e a luz da verdade volta a brilhar sobre a Terra, preparando os caminhos para a era messiânica. Então em SHAVUOT, vamos comemorar a outorga da Torah e honrar os sábios do nosso povo, do povo judeu, que transmitiram estes ensinamentos até os dias de hoje, apesar de todas as perseguições e tragédias que marcaram a história do povo do Eterno!

Marcos Andrade Abrão

Continue Lendo