Beit El Shamah ®. Todos os Direitos Reservados.

+55 (21) 2490-2427 

A Contagem do Ômer

A Torá não menciona uma data exata para a Festa de Shavuot, damaneira que o faz para as outras Festas. Sua data é vinculada ao "Sefirat haómer (a contagem de dias entre Pessach e Shavuot). Começamos a "Contagem do Omer" a partir do segundo dia de Pessach — dia 16 de Nissan — contando 49 dias, que são sete semanas, e no quinquagésimo dia festejamos Shavuot. Temos o costume de fazer uma "berachá" (bênção) especial, todas as noites, durante a Reza de Arvit (da noite), sobre a Contagem.

Por que contamos esses dias?

A "Contagem do Omer' tem duplo significado: agrícola e espiritual. As Três Festas de Peregrinação são caracterizadas pela Torá também pelas estações na Terra Santa. A estação da safra começa na época de quando a primeira cevada é cortada, da qual se leva um "ômer" de uma medida de volume de mais ou menos 4 litros ao Beit Hamicdash, em sinal de gratidão. A partir daquela data começa a amadurecer o resto dos produtos da terra. 

Em Shavuot termina a safra com o corte do trigo. A Festa de Sucot por sua vez, que a Torah chama de Festa da Colheita, vê o encerramento anual de todos os trabalhos agrícolas. Segundo o preceito da Torah, todo o dono de terra que colheu qualquer das sete espécieis pelas quais se destaca Eretz Israel _ trigo, cevada, uva, figo, româ, azeitona e tâmara _ era obrigado a levar as primícias destes produtos  (Bicurim)  ao Beit Hamicdash, aos Cohanim (sacerdotes). O prazo para levar Bicuri ao Beit Hamicdash se prolongava desde Shavuot até a Festa de Sucot. É devido a safra que chega ao seu ponto alto nesta época, que se chama a Festa da Safra, conforme está escrito: "e a festa do corte dos primeiros frutos, que tiveres semeado no campo". (Shemot _ Êxodo 23.16).

No tempo do Beit Hamicdash quando a maioria de nosso povo vivia em paz na Terra Santa e lavrava a terra a agricuItura marcou profundamente o caréter da Festa. A época de Bicurim era inaugurada com a impressionante cerimônia de apresentação da "oferenda dos dois pães", que a Torá chama de "oferenda nova" (Núm. 28,26).

Voltemo-nos agora ao lado espiritual-intelectual da contagem do Omer" que liga Pessach a Shavuot. E o conjunto dessas duas Festas que simboliza a inteireza da redenção. Pessach marca a libertação física e Shavuot significa a libertação espiritual- intelectual, cuia primeira etapa foi a libertaçáo física da escravidão e o êxodo, a ser completada em Shavuot, quando recebemos a Torá, junto ao Monte Sinai. O povo recebeu seu conteúdo espiritual e sua bagagem literal, que iluminaram o caminho de sua vida. Não basta ser livre para fazer o que se quer fazer, mas precisa-se ser livre para fazer o que se deve fazer, pois que não há, realmente diferença entre quem é escravo do outro e o que é escravo de seus instintos.

A contagem do Ômer começa na noite do segundo dia de Pêssach e se encerra uma noite antes de Shavuot, quando celebramos Matan Torah, a enrega da Torah ao povo de Israel.